Dor lombar: você sabia que a Ressonância Magnética pode ajudar?

lombalgia

A ressonância magnética desempenha um papel fundamental para diagnosticar doenças e problemas em diversas áreas do corpo, inclusive na coluna. Sendo assim, para quem sofre com dor na lombar, esse exame ajuda a identificar a condição e tratá-la. No entanto, muitas pessoas ainda não sabem a importância desse exame.

Portanto, caso tenha ficado curioso para conhecer um pouco mais sobre o assunto, então continue lendo esse conteúdo!

O que é lombalgia?

A lombalgia, conhecida como dor lombar, é a segunda maior causa que leva as pessoas ao médico, ficando atrás somente do resfriado. Cerca de 50% da população até os 20 anos, sofre com o problema. Já para as pessoas com mais de 60 anos, 80% possui lombalgia. Isso significa que mais da metade da população sofre com dores na região da lombar.

No entanto, a maioria das pessoas ainda confunde uma simples dor nas costas com lombalgia. Vale ressaltar que uma dor nas costas não significa, necessariamente, lombalgia. É comum sentir dores nas costas após a prática de exercícios físicos, ficar muito tempo sentado ou deitado. Porém, nesses casos, a dor desaparece dentro de poucos dias.

Já a lombalgia é uma dor localizada na região lombar, que fica em uma parte mais baixa da coluna, próxima a bacia. Porém, a dor ainda pode se expandir para as nádegas e até a parte posterior das coxas.

As causas para o desenvolvimento de dor lombar são várias. No entanto, há certos fatores de riscos que contribuem para o seu surgimento como, por exemplo, lesões musculares devido a sobrecargas, incluindo levantar mais peso do que a pessoa consegue.

Outro fator é a má postura, tanto ao sentar quanto ao carregar algum objeto pesado. Mas, além disso, também há outras causas, tais como:

  • Inflamação;
  • Infecção;
  • Hérnia de disco;
  • Escorregamento de vértebra;
  • Artrose;
  • Entre outros.

Desse modo, a pessoa acaba tendo as suas atividades diárias e qualidade de vida prejudicadas por causa dessa condição.

Ressonância Magnética de Coluna Lombar

ressonancia magnetica coluna lombar

Um exame que muito tem sido utilizado hoje em dia para diagnosticar as mais variadas doenças e outros tipos de problemas de saúde é a ressonância magnética (RM), por ser bem simples e eficaz em localizar a patologia.

A RM de coluna lombar é um exame que ajuda a tratar a dor lombar com eficiência. De forma simples, esse exame não é invasivo e totalmente indolor. Ele funciona por meio das ondas de radiofrequência e campo magnético que captura imagens de alta qualidade e bem detalhadas, sem qualquer tipo de radiação, do interior do corpo humano.

Sendo assim, por meio das imagens obtidas durante esse exame, possibilita que o médico identifique a região exata onde está o problema, mesmo que seja mais difícil de ser encontrado, como ocorre com tumores, câncer e outras doenças.

Logo, existem uma série de diferentes tipos de ressonância magnética para cada parte do corpo. Desse modo, a RM da coluna é uma delas, e possui como objetivo analisar a região da coluna e indicar lesões na região ou proximidades como a lombalgia, por exemplo.

Hoje em dia, a ressonância magnética é o exame mais eficiente e indicado para fazer uma avaliação da coluna e tratar dor na lombar, podendo diagnosticar uma doença em até 24h caso seja feita a emissão do laudo a distância.

Como é feito o exame Ressonância Magnética?

Mas, afinal, como é feito o exame de Ressonância Magnética? Bem, essa é uma dúvida comum e muitas pessoas têm um certo receio quanto ao exame. Porém, o processo é completamente indolor e rápido, geralmente dura em média de 15 a 30 minutos.

Basicamente, o paciente fica em uma maca e depois é colocado para dentro do aparelho. Enquanto estiver dentro, ele deverá ficar imóvel, para obter melhores imagens. No preparo para o exame, o médico irá orientá-lo melhor sobre como funciona todo o processo.

Mas, em geral, é preciso chegar na hora marcada e não usar quaisquer objetos metálicos, tais como:

  • Relógios;
  • Piercings;
  • Brincos;
  • Anéis;
  • Pulseiras;
  • Colares;
  • Zíper;
  • Botões;
  • Entre outros.

E, além disso, é importante que o paciente avise ao médico sobre qualquer problema de saúde que tenha, se está grávida ou se passou por alguma cirurgia recentemente. Embora o campo magnético não causa nenhum dano a saúde, porém, pode acabar provocando o mal funcionamento dos equipamentos médicos.

Para que serve esse exame?

O exame de ressonância magnética da coluna lombar é fundamental para apontar possíveis patologias que afetam a região, como por exemplo:

  • Doenças infecciosas;
  • Doenças inflamatórias;
  • Fraturas por estresse de vértebras;
  • Doenças degenerativas;
  • Tumores malignos;
  • Tumores benignos.

Identificar o problema o mais cedo possível é importante para começar o quanto antes o tratamento, impedindo que a doença avance e prejudique a qualidade de vida da pessoa. Por isso a ressonância magnética é o melhor exame para identificar a patologia, para que assim o paciente possa tratá-la da maneira mais adequada.

Como prevenir a lombalgia ?

fortalecer lombar

Para prevenir a lombalgia, o melhor modo é fortalecendo a musculatura que sustenta o nosso corpo, ou seja, o abdômen, dorso e a coluna. Desse modo, a melhor forma para isso é adotando hábitos mais saudáveis, isso inclui a prática de alguma atividade física, como, por exemplo, exercícios aeróbicos e de fortalecimento muscular.

Praticar alongamentos e ter uma reeducação postural também são fatores importantes para impedir que esse problema se desenvolva. Caso a dor surja, o mais indicado é procurar um médico para orientá-lo da melhor forma e marcar os exames para verificar a causa exata do problema.

Conclusão

Em suma, a dor lombar é um problema muito comum que afeta milhares de pessoas, tanto jovens quanto idosos. As causas dessa doença são diversas, mas no geral, má postura e sobrecarga excessiva de peso podem desencadear lombalgia.

Para diagnosticar a doença, a ressonância magnética é o melhor método. Através desse exame é possível localizar a região afetada de forma simples e bem objetiva. Sendo assim, o paciente poderá iniciar o tratamento o quanto antes e evitar mais complicações.

Por fim, caso tenha gostado do conteúdo ou ainda possua alguma dúvida em relação ao assunto, deixe o seu comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *